Ex-voto ou cumprimento de promessas

Antes de mais, ex-voto lê-se “écs-vóto”.

O ex-voto é o presente dado pelo fiel ao seu santo de devoção em consagração, renovação ou agradecimento de uma promessa.

Exemplares da colecção à guarda do Museu Municipal de Vale de Cambra.

Ex-voto
Fotografia: Eduardo Cunha
Ex-voto a S. Paio
1780
Pintura a óleo sobre madeira
21 × 32cm
Proveniência: Arões, Paróquia de S. Simão de Arões, Capela do Espírito Santo, Paraduça
Propriedade: Comissão da Capela de Paraduça, em depósito no Museu Municipal de Vale de Cambra
Inscrição: M. q fes Som Paio deperduçia a Mel. Soares Pto de hua emchação q. tinha e o d° doente Se meteu em cura com remedios. Com nenhum Se achou bom oferecendo Seu Pay Francisco Tavares Pto ad; S.to Logo: Se achou Bom. Anno de 1780.

Bibliografia: VIDE, Maria Clara. Religiosidade Popular: a terra e o mar na pintura de milagres, (s/p n.6 [s/ ilust.]). Vale de Cambra: Museu Municipal de Vale de Cambra, 1999.
Ex-voto
Fotografia: Eduardo Cunha
Ex-voto a Nossa Senhora da Saúde 
Pintura a óleo sobre tela 
43× 63.5 cm
Proveniência: S. Pedro de Castelões, Paróquia de S. Pedro de Castelões, Capela de Nossa Senhora da Saúde
Propriedade: Paróquia de S. Pedro de Castelões, em depósito no Museu Municipal de Vale de Cambra

Bibliografia: VIDE, Maria Clara. Religiosidade Popular: a terra e o mar na pintura de milagres, (s/p n.°2 [s/ ilust.]). Vale de Cambra: Museu Municipal de Vale de Cambra, 1999. 
Ex-voto
Fotografia: Eduardo Cunha
Ex-voto a Santo António
Pintura a óleo sobre madeira
27,5 × 37 cm
Proveniência: S. Pedro de Castelões, Paróquia de S. Pedro de Castelões, Capela de Nossa Senhora da Saúde
Propriedade: Paróquia de S. Pedro de Castelões, em depósito no Museu Municipal de Vale de Cambra
Inscrição: Este Ex-voto contém duas inscrições. O facto de ter sido feita uma segunda inscrição, e atendendo ao estado actual da pintura, não é possível uma leitura exacta da mesma. É no entanto ainda perceptível: ''MILAGREQ. FES . MACINHATA DA SEIXA …”.

Bibliografia: Em redor da devoção a Santo António (Catálogo de Exposição). Vale de Cambra: Câmara Municipal de Vale de Cambra - Museu Municipal, 2000, p. 26.VIDE, Maria Clara. Religiosidade Popular: a terra e o mar na pintura de milagres, (s/p n.° 3 [s/ ilust.]). Vale deCambra: Museu Municipal de Vale de Cambra, 1999.
Ex-voto
Fotografia: Eduardo Cunha
Ex-voto a Nossa Senhora da Saúde
1811
Pintura a óleo sobre madeira
38 × 38 cm
Proveniência: S. Pedro de Castelões, Paróquia de S. Pedro de Castelões, Capela de Nossa Senhora da Saúde
Propriedade: Paróquia de S. Pedro de Castelões, em depósito no Museu Municipal de Vale de Cambra
Inscrição: '"M. Q. FES NOSA SR" DASAVDE. AES/TA SVA DEVOTA 1811", em forma de listel.

Bibliografia: VIDE, Maria Clara. Religiosidade Popular: a terra e o mar na pintura de milagres,(s/p n.° 19 [s/ ilust.]. Vale de Cambra: Museu Municipal de Vale de Cambra, 1999.
Ex-voto
Fotografia: Eduardo Cunha
Ex-voto a Nossa Senhora da Saúde
1829
Pintura a óleo sobre madeira
35,5 x 26.5 cm
Proveniência: S. Pedro de Castelões, Paróquia de S. Pedro de Castelões, Capela de Nossa Senhora da Saúde
Propriedade: Paróquia de S. Pedro de Castelões, em depósito no Museu Municipal de Vale de Cambra
Inscrição: "MiLaGre. `Q. Fes Nosa Sra. Dasaude. ahuma. Sua. devota. q. tendo hum Menino a morer. Examando. Pela Sra. Logo, Sarou, o menino. 1829."
(Milagre que fez N. Sra. da Saúde a uma sua devota que tendo um menino a morrer e chamando pela Sra. logo sarou o menino) 

Bibliografia: VIDE, Maria Clara. Religiosidade Popular: a terra e o mar na pintura de milagres, (s/p n.°1 [s/ ilust.]). Vale deCambra: Museu Municipal de Vale de Cambra, 1999.
Ex-voto
Fotografia: Eduardo Cunha
Ex-voto a S. Sebastião e a S. Lázaro
Pintura a óleo sobre madeira
21,5 × 34 cm
Proveniência: Vila Cova de Perrinho, Paróquia de S. João Baptista, Igreja Matriz
Propriedade: Paróquia de Vila Cova de Perrinho, em depósito no Museu Municipal de Vale de Cambra
Inscrição: "M. Q. FES. OMARTELE. MAIS. S. LAZARO AMANOEL / FREZ' DEALMD:" DEUILA. COUA.DEPORINHO"'.

Bibliografia: VIDE, Maria Clara. Religiosidade Popular: a terra e o mar na pintura de milagres,(s/p n.° 4 [s/ ilust.]). Vale deCambra: Museu Municipal de Vale de Cambra, 1999.CRISTO fonte de esperança, (catálogo de exposição do Grande Jubileu do Ano 2000). Porto: Diocese do Porto,2000. p. 489
Ex-voto
Fotografia: Eduardo Cunha
Ex-voto a Nossa Senhora do Rosário
Pintura a óleo sobre madeira
25 × 38 cm
Proveniência: Vila Cova de Perrinho, Paróquia de S. João Baptista, Igreja Matriz
Propriedade: Paróquia de Vila Cova de Perrinho, em depósito no Museu Municipal de Vale de Cambra
Inscrição: "m.q. fes n. Sr. dorozario, desta frg" deuilaco / va enan.ta. f. demel. João desta frg. mesma es /tandop.* morer dehuma malima a ofreseuaSra e teve sau / de''.

Bibliografia: VIDE, Maria Clara. Religiosidade Popular: a terra e o mar na pintura de milagres, (s/p n.° 5 [s/ ilust.]). Vale deCambra: Museu Municipal de Vale de Cambra, 1999.
Ex-voto
Fotografia: Eduardo Cunha
Ex-voto a Nossa Senhora do Rosário
1721
Pintura a óleo sobre madeira
114 × 137 cm
Proveniência: Vila Cova de Perrinho, Paróquia de S. João Baptista, Igreja Matriz
Propriedade: Paróquia de Vila Cova de Perrinho, em depósito no Museu Municipal de Vale de Cambra
Inscrição: "milagre que fes nossa sr dorrozario desta frg' de uila coua em Antonio Silvestre homendenegossi ebrrasileiro (….) indo deiurna / da p.” as minas e passando por aqueles montes chamados Cadoeira lhe derão estandodesilada postus thres inimigos (.) e lhes mata / rão seu cabalo emque hia montado euendose emeste perig(o)posto(daa) suatensão, emes(taSr) esse achou (J.)livre emontando emoutro cabalo fes sua iurnada / e deu p.' a Sr.deesmola vinte mil / Res. Com que se doirou o seu / Retabolo. 1721.".

Bibliografia: ARAÚJO, Agostinho Rui Marques de 'Pintura Votiva Setecentista e Figuração de Negros (Cenas do Tempo das Minas), Portugal Brasil- Brasil Portugal, duas faces de uma realidade artística. Lisboa: Comissão Nacional para as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses, 2000, p. 266 e 267.
GONÇALVES, A. Nogueira. Inventário Artístico de Portugal-Distrito de Aveiro-Zona de Nordeste. Lisboa:Academia Nacional de Belas-Artes, 1991, p.175.
MARQUES, Maria Clara de Paiva Vide Marques. Monografia de Vale de Cambra. Vale de Cambra: Câmara Municipal de Vale de Cambra, 1993, p. 220. Terra de Santa Maria, (Roteiro Turístico). Associação de Municípios das Terras de Santa Maria, 1994, p. 55. 
VIDE, Maria Clara. Religiosidade Popular: a terra e o mar na pintura de milagres, (s/p n.° 20 [s/ ilust.]). Vale de Cambra: Museu Municipal de Vale de Cambra, 1999.

Há ainda um curioso ex-voto da Senhora da Saúde (de que não temos imagem).

Encontra-se registado nas páginas 175 e 176, de Castelonenses Ilustres (Vol. V), de Adolfo Coutinho.

Diz o seguinte:

Um ex-voto entregue à Irmandade de Nossa Senhora da Saúde da Serra contém, bordada, a seguinte inscrição:

“Esta toalha foi feita em Pernambuco pelas escravas da Senhora D. Anna Maria Pessoa Bezerra e hoje he de huma neta D. Maria Beneditta Pinto Pessoa Bezerra viúva de José Bezerra que ofereceu ó Senhor dos Passos dos Caetanos”.

Observando essa toalha, tivemos a curiosidade (histórica) de tentar descobrir quem a trouxe até Gestoso e em que data terá sido feito o bordado. Na impossibilidade de colher informações junto do membro da Irmandade da Senhora da Saúde que recebeu a toalha (por já ter falecido), lançámos um apelo (através do Forum de GENEA), na expectativa de que algum participante brasileiro nos pudesse dar alguma informação.

O que já recebemos não é, ainda, uma resposta com rigor histórico. Poderá, no entanto, ter algum interesse registar o seguinte:

“O Dicionário das Famílias Brasileiras traz uma verbete sobre os Bezerra, notória família de Pernambuco em que, entre os citados, aparece um com os apelidos de família Bezerra. Veja, por favor:

Felgueiras Gayo, apresenta, de forma um pouco confusa, algumas origens para esta família, entre elas, a dos irmãos António Martins Bezerra e Fernão Gonçalves Bezerra, que denominamos de tronco A e B.

António Martins Bezerra (c.1499, Foz de Lima, Viana, Portugal), chefe do tronco A, também denominado de «Bezerra Felpa⟫, passou a Pernambuco, em companhia de sua esposa, Maria Martins Bezerra, acompanhando o 1.º Donatário daquela Capitania.

Entre os descendentes do casal: I – O filho, Domingos Bezerra Felpa Barbuda, patriarca da família Bezerra Monteiro (v.s.), de Pernambuco; II – o filho, Guilherme Bezerra Felpa de Barbuda, patriarca da família Barbalho Bezerra (v.s.), de Pernambuco; III – o neto, Paulo Bezerra, natural de Viana, que passou para o Brasil, antes de 1613, estabelecendo-se em Pernambuco; e IV – o bisneto, JOÃO PESSOA BEZERRA (bat. 04.04.1616, PE – с.1684), que teve o foro de Fidalgo Cavaleiro da Casa Real, por Alvará de 02.01.1672. Juiz Ordinário de Olinda (PE, 1664 e 1671). Provedor da Santa Casa de Misericórdia (1664, 1670, 1679 e 1684).

José Roberto Vasconcelos [email protected]

Respondendo a uma pergunta lançada no Forum de GENEA sobre a origem da Família Bezerra de Pernambuco, Alberto Tavares informou que “procede de António Bezerra Felpa de Barbudos, natural de Ponte de Lima, e de sua mulher Maria de Araújo”.

Dúvida: As senhoras D. Anna Maria Pessoa Bezerra e sua neta D. Maria Beneditta Pinto Pessoa Bezerra, viúva de José Bezerra, cujos nomes estão bordados na toalha, terão familiares em Ponte de Lima, algum dos quais poderá ter deixado no altar da Senhora da Saúde da Serra a referida toalha?

Aqui ficam a curiosidade e a dúvida.

Adolfo Coutinho