A lenda das pedras parideiras

A lenda das pedras parideiras
Foto de Ângela Morais

por Irene Tavares Dias

As pedras parideiras ficam em pleno coração da serra da Freita, na freguesia de Albergaria da Serra. Isto a partir de 1980 porque anteriormente esta freguesia era designada por Albergaria das Cabras.

As pedras parideiras ou a lenda sobre elas remonta ao início da nossa nacionalidade, por volta de 1140. Do nosso primeiro rei D. Afonso Henriques, ao qual sucedeu seu filho, D. Sancho I, pai das infantas D. Teresa e D. Mafalda. Hoje, conhecida por Rainha Santa Mafalda que se venera no seu convento, em Arouca, do qual é padroeira.

Ainda jovem foi ingressar no convento seguindo a vida religiosa. O Senhor seu pai mandou edificar o convento de Arouca e doou-lho como herança bem como todas as terras, desde Arouca, Vale de Cambra e Santa Maria da Feira.

Todas estas terras pagavam tributo, ou foral, ao convento de Arouca, que pertencia à Ordem dos Frades de Cister.

Ainda existe na freguesia de Cepelos a chamada casa da tulha, brasonada, com as insígnias do Convento de Arouca. A qual servia de celeiro dos produtos da terra que os chefes de família de todas as freguesias vizinhas pagavam como tributo ou vassalagem ao seu Rei.

A Rainha Santa Mafalda, numa das suas viagens, seguia a estrada Romana em direção a Arouca, montada no seu burrinho com todo o seu séquito de aias e vassalos, acontece que o seu jumentinho escorregou numa pedra na dita aldeia da Castanheira e, logo aí, foi suposto que tivesse partido uma perna, pelo que teria que abandonar a caravana.

Santa Mafalda compadecida com o olhar meigo do animal, como que a suplicar misericórdia, ajoelhou-se em terra e pediu a intervenção Divina para o seu burrinho.

Logo o animal se pôs de pé oferecendo a sua montada à Rainha para prosseguir viagem.

Santa Mafalda disse:
– Este lugar ficará assinalado! As pedras se multiplicarão parindo umas às outras.

Este fenómeno geológico único na Europa, só encontrando precedentes na América, estudado pela arqueologia e geologia dos solos, encontra definição na composição e formação das rochas.

Este geossítio corresponde a uma área de 1 km², sendo geologicamente conhecido por Granito nodular devido à sua forma e textura. Os nódulos possuem uma dimensão entre 1 a 12 cm, sendo constituídos externamente por uma camada de biotite e internamente por um núcleo de quartzo-feldspático, encontrando-se distribuídos em toda a extensão da rocha-mãe. E como são de composição diferente devido à erosão, destacam-se facilmente.

Daí o nome pedras parideiras e a ela estar ligada o misticismo de rituais e fertilidade.

Este é, possivelmente, o geossítio mais conhecido do Geopark de Arouca.

Estes dados foram retirados do livro Património Geológico de Arouca.

Do livro Origens, Poemas e Lendas